Em tempos de crise, é comum empresas buscarem a redução de custos e a maximização da produtividade. Objetivando mais do que a sobrevivência, é necessário otimizar processos e inovar, investindo principalmente no capital humano e tecnológico.

Analisando a história mundial recente, podemos observar diversos exemplos bem sucedidos, em diferentes países, que após períodos difíceis de guerras e recessões, apostaram na educação para voltar a crescer de modo sustentável e consistente, desde a base, seguindo até a formação profissional, com qualidade e contínuo desenvolvimento nas mais diversas áreas.

A qualificação e a busca incessante pela excelência deram origem a diversos modelos de gestão e processos, através de sistemas como Kanban, Just in time, Lean manufactoring, entre outros.

Na última pesquisa publicada pela Conference Board, referente a produtividade e inovação, a equivalência do trabalhador brasileiro frente a outros países chegam aos impressionantes números:

  • 2,7 brasileiros = 01 sul-coreano
  • 3,1 brasileiros = 01 alemão
  • 4,2 brasileiros = 01 norte-americano

Importante ressaltar que a pesquisa tem como base o PIB de cada país, e que alguns setores são impactados por outros e, não por acaso, quando comparamos a média de escolaridade, fica evidente que o fator educação explica muito destes números.

Enquanto o brasileiro estuda em média 7 anos, nos EUA são de 12 a 13 anos, o que inclui parte do ensino superior, isso sem mencionar a qualidade do ensino.

O mesmo acontece nas empresas, já na vida profissional, um colaborador brasileiro tem em média 30 horas/ano de treinamento, enquanto nos EUA são 120 horas/ano.

Infraestrutura e Tecnologia

Além da educação e capacitação profissional, outros fatores devem ser considerados quando o assunto é eficiência operacional, como investimentos em infraestrutura e recursos tecnológicos.

As mais diversas ferramentas estão disponíveis no mercado, cada vez mais acessíveis, impulsionadas pelos modelos de assinatura de software e recursos de computação em nuvem.

  • Ferramentas para automação de processos;
  • Ferramentas para planejamento de atividades;
  • Recursos para colaboração e compartilhamento do conhecimento;
  • Aplicativos para monitoramento de indicadores de performance.

A tecnologia é um grande aliada da produtividade, processos são automatizados, gerenciados, monitorados, garantindo segurança, qualidade, agilidade e disponibilidade da informação.

Inovação

A eficiência operacional também pode ser alcançada através da inovação, seja criando novas ou diferentes formas para execução de processos ou desenvolvendo produtos e serviços, envolvendo diferentes tecnologias e métodos, ou seja, explorando novas oportunidades.

Para inovar é preciso propor, experimentar, algumas vezes é necessário sair do conforto, não podemos deixar o tempo passar, e como disse Albert Einstein, “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

Fontes:

https://www.conference-board.org/data/economydatabase/