ST

Após o enorme sucesso da primeira temporada, estreou, no dia 27, a continuação de “Stranger Things”. A série de suspense que remete aos anos 80 – e de grande sucesso da Netflix – era ansiosamente aguardada por uma legião de fãs, mas também é uma maneira muito interessante de se exemplificar alguns pontos bem peculiares de um processo de Avaliação de Desempenho (AD) em uma empresa.

Geralmente, as companhias que pretendem iniciar o seu primeiro processo de AD baseiam-se em algum template online pré-determinado ou mesmo fornecido por alguma consultoria – o que aconteceu na Iteris há alguns anos. Com o passar do tempo, devemos revisar e adequar a AD à sua cultura e valores.

Os formulários de AD, de modo geral, contemplam itens relacionados às competências de entrega (como o colaborador entrega o projeto, interação com a equipe, etc.), e o eixo comportamental (como lida em situações de pressão, capacidade de lidar com diferentes problemas simultaneamente, iniciativa).

Voltando ao seriado, seus personagens têm comportamentos bem distintos para diversas situações, prendendo a atenção do público, e aqui faço uma breve análise de desempenho das principais personalidades durante a primeira temporada, obviamente tendo como base minha experiência e opinião pessoal a respeito. De qualquer forma, fique à vontade em deixar o seu comentário e sua visão sobre o tema.

Analisei quatro itens e darei um breve feedback de cada personagem. Abaixo os itens que serão avaliados, sendo que a nota 1 significa que o personagem não atende este requisito, e nota 5 supera as expectativas:

  • Trabalho em Equipe: Liderança, agregação e desenvolvimento de equipe. É visto pelos membros da sua equipe como uma referência pessoal e profissional, mantendo um estreito relacionamento com eles, ajudando na retenção de talentos. É capaz de reconhecer as habilidades dos membros da equipe e ajudá-la a atingir seu máximo potencial.
  • Equilíbrio Emocional: Capacidade para lidar com a pressão do dia a dia e de manter o equilíbrio diante de situações extremas, tendo uma atitude positiva para sair de situações estressantes e conflitantes.
  • Flexibilidade e Adaptabilidade: Utilizar soluções criativas para resolver os problemas. Capacidade de lidar com diferentes problemas simultaneamente, solucionando-os com presteza, alcançando, assim, os resultados desejados.
  • Orientação a Resultados: Accountability, coordenação de esforços e maximização de resultados. Executa as atividades visando resultados com alta qualidade.

Atenção, se você ainda não assistiu a série e pretende fazê-la, este artigo contém spoilers de agora em diante!

Joyce Byers

Joyce

Trabalho em Equipe: 3
Equilíbrio Emocional: 4
Flexibilidade e Adaptabilidade: 5
Orientação a resultados: 5

Ela foi a primeira pessoa que conseguiu se comunicar com o Will, e mesmo com todos desconfiando dela, não desistiu, mostrando certo desespero em alguns momentos. Ela teve muita criatividade ao criar um sistema para se comunicar com o filho desaparecido.

Embora não tenha aceitado a ajuda de Nancy e Jonathan no final para encontrar o filho, ela conseguiu o seu objetivo – trazer o filho de volta.

Jim Hooper

Jim

Trabalho em Equipe: 1
Equilíbrio Emocional: 5
Flexibilidade e Adaptabilidade: 4
Orientação a resultados: 5

Ao longo da temporada, Hooper não confiou em seus pares, não dividiu informações cruciais com eles, tais como a existência de um monstro e sua desconfiança quanto ao Depto. de Energia de Hawkins, e tampouco agiu como líder.

De qualquer forma, com sua obstinação e intuição, ele focou no resultado que era encontrar e salvar Will Byers, isto do início ao fim, e acabou ajudando Joyce a levar Will para casa. Em termos de resultados, sua atuação superou as expectativas do povo de Hawkins.

Ele precisa continuar sendo obstinado, mas tem que aprender que trabalho em equipe muitas vezes facilita as coisas.

Jonathan Byers

Jonathan

Trabalho em Equipe: 3
Equilíbrio Emocional: 4
Flexibilidade e Adaptabilidade: 4
Orientação a resultados: 4

No início da trama, Jonathan não é o que podemos chamar de uma pessoa que trabalha bem em equipe: ele não confiou nem na sua mãe, é isolado. No decorrer da série, ele percebeu que foi injusto com sua mãe e também acabou trabalhando em equipe muito bem junto com Nancy e depois com Steve.

Também demonstrou muita criatividade ao montar uma estratégia para pegar o monstro. Poderia ser mais aberto e confiante ao trabalhar em equipe, a fim de obter resultados mais eficazes.

Nancy Wheeler

Nancy

Trabalho em Equipe: 5
Equilíbrio Emocional: 5
Flexibilidade e Adaptabilidade: 4
Orientação a resultados: 3

Nancy no início demonstrou que é muito egoísta em relação à sua melhor amiga, mas com o decorrer dos episódios, mostrou que trabalha muito bem em equipe, inclusive exercendo papel de liderança em alguns momentos e fazendo alianças até com seu irmão (algo impensável no início da série). Ela teve muita coragem ao não desistir de perseguir o monstro, mesmo quando ela se encontrava no Mundo Invertido.

Como sua principal caraterística foi o trabalho em equipe e liderança, deve utilizá-los ainda mais na segunda temporada.

Dustin Henderson

Dustin
 Trabalho em Equipe: 5
Equilíbrio Emocional: 3
Flexibilidade e Adaptabilidade: 5
Orientação a resultados: 4

Dustin é um personagem que buscou realmente integrar a equipe. Quando ocorreram os conflitos entre seus amigos, ele foi o primeiro a lembrar das regras de amizade. Além disso, também demonstrou muita criatividade ao usar a bússola pra achar o Will e se relacionou muito bem com personagens externos ao seu time, como o professor que o ajudou em diversas questões.

Ele precisa manter o bom relacionamento com sua equipe e com o restante da comunidade científica na próxima temporada, além de continuar oferecendo soluções criativas. Também precisa ser menos desesperado em algumas situações de stress.

Lucas Sinclair

Lucas

Trabalho em Equipe: 2
Equilíbrio Emocional: 4
Flexibilidade e Adaptabilidade: 4
Orientação a resultados: 5

Lucas definitivamente não confiou em sua equipe em muitos pontos da trama, o que prejudicou sua atuação. Por outro lado, ele demonstrou ser muito criativo ao dar soluções para alguns problemas e conseguiu salvar sua equipe ao alertá-los por walkie-talkie da chegada das vans que saíram do laboratório Hawkins.

Ele deve desenvolver mais o trabalho em equipe para a próxima temporada, principalmente confiando no seu melhor amigo.

Mike Wheeler

Mike

Trabalho em Equipe: 4
Equilíbrio Emocional: 4
Flexibilidade e Adaptabilidade: 4
Orientação a resultados: 5

Esconder uma menina em sua casa por alguns dias e alimentá-la sem que ninguém percebesse demonstrou muita criatividade. Ele conseguiu entender e aprender sobre Eleven mais do que qualquer outro personagem, e com isto amarrou os fios soltos da história.

Como meta para a próxima temporada, Mike deve continuar sendo leal com seus amigos e muito criativo, só não pode ser imprudente como demonstrou ao saltar de uma pedreira na primeira temporada.

Eleven

Eleven

Trabalho em Equipe: 1
Equilíbrio Emocional: 4
Flexibilidade e Adaptabilidade: 5
Orientação a resultados: 5

Eleven foi extremamente eficaz na maioria das coisas que se propôs a fazer, desde fugir do laboratório Hawkins (como ela fugiu), ao passar pelos corredores sem fazer barulho, não permitindo que a família a veja, ao eliminar as pessoas más ou mesmo só dar um corretivo nos meninos que não são legais com seus amigos. E por último, livrou todos do monstro.

A grande questão foi que ela enganou os membros de sua equipe em muitas ocasiões, como ao não explicar direito sobre a distorção da bússola, ao abandoná-los em determinado momento (tudo bem, depois ela volta para ajudá-los).

Para a segunda temporada, fica a expectativa de como a Eleven voltará (se voltar), afinal de contas ela foi um dos destaques da série…

por Marcelo Santos, Diretor de RH