A gestão de operações de TI é um ponto-chave para que o negócio possa atingir bons resultados em médio e longo prazo. Estruturando processos da forma correta, o setor será capaz de atender às demandas dos usuários, manter um nível de inovação elevado e solucionar gargalos operacionais. Além disso, gastos são reduzidos e o fluxo de trabalho torna-se mais ágil.

Mas como isso pode ser feito? Continue a leitura e garanta que a sua política de gestão de operações de TI tenha a melhor performance possível!

1. Organizar os processos internos

Para que a gestão de operações de TI tenha bons resultados, o negócio precisa organizar as rotinas de todos os times. É importante que o gestor conheça as práticas internas, o que é funcional e o que pode ser eliminado para gerar mais competitividade. E para que isso seja possível, é crucial que todas as práticas sejam documentadas, organizadas e rastreadas corretamente.

Sem um setor de TI organizado, o gestor tem dificuldades para identificar o que deve ser otimizado. As rotinas terão mais problemas para serem executadas, uma vez que a ineficácia das suas atividades levará a mais erros. Como consequência, a gestão de operações de TI não terá as bases necessárias para que a tecnologia possa ser usada como um mecanismo para gerar competitividade.

2. Posicionar o setor estrategicamente

O modo como o setor de TI está posicionado dentro da empresa apresenta um impacto direto na relação que o time constrói com outras áreas. Quando o setor consegue manter um alinhamento com os objetivos e estratégias do resto do negócio, a tecnologia passa a ser integrada em mais áreas e, assim, a companhia pode ter um funcionamento competitivo.

Os investimentos, por exemplo, serão direcionados de forma melhor. O time de TI adotará soluções que sejam realmente capazes de atender às demandas internas. Assim, o retorno obtido com investimentos sempre será o melhor possível.

Em longo prazo, alinhar estratégias do setor de TI com o resto da companhia mudará toda a forma como a gestão de operações de TI é feita. Ela será executada com um grande foco nas demandas dos usuários, reduzindo custos e erros. Além disso, gargalos serão menos frequentes e o impacto das atividades nos resultados do negócio será ampliado ao máximo.

3. Otimizar a comunicação entre a equipe e os usuários

A comunicação entre o setor de TI e os usuários deve ser mantida com canais abertos. Uma vez que o time atua lado a lado com os profissionais de outras áreas, é possível eliminar gargalos, solucionar demandas e projetar políticas de gestão de operações de TI muito mais inteligentes.

Faça pesquisas para obter o feedback dos usuários após todos os atendimentos do time de suporte. Isso dará ao gestor uma visão abrangente sobre o trabalho do time de TI: será mais fácil identificar o que pode ser otimizado para atingir melhores resultados mantendo serviços conforme as demandas de cada setor.

4. Investir em novas tecnologias

O investimento em novas tecnologias também é uma estratégia que o negócio pode utilizar para melhorar a performance da sua infraestrutura de TI. Com as soluções corretas, a empresa otimiza rotinas, melhora a sua análise de dados e torna o trabalho dos setores mais eficaz.

Uma das escolhas que o negócio pode fazer é o investimento na computação em nuvem. Essa tecnologia pode trazer uma série de vantagens, como redução de custos por meio do pagamento conforme a demanda por recursos. Há também um aumento de mobilidade, já que os recursos são disponibilizados em qualquer dispositivo com acesso à internet.

Com o licenciamento de softwares como serviço, por exemplo, a empresa reduz custos com tecnologia, deixa a gestão de operações de TI mais simples e tem a garantia de sempre utilizar a última versão dos sistemas em seu ambiente de trabalho.

O valor da assinatura mudará conforme o número de usuários ativos. As rotinas de manutenção, como a atualização para novas versões, é feita pelo prestador de serviços. Com isso, o usuário garante o acesso às versões mais recentes do sistema.

5. Contar com o apoio de uma empresa parceira

O apoio de uma empresa de consultoria também pode ser considerado para que as políticas de gestão de operações de TI sejam mais eficazes. Nesse caso, o negócio contratará uma empresa parceira para avaliar como o setor está estruturado e quais são as rotinas que podem ser modificadas para atingir mais resultados, seja com a atualização de processos ou a adoção de novas tecnologias.

O trabalho do setor estará alinhado com os padrões do mercado e a companhia terá mecanismos mais inteligentes para solucionar problemas diários. A empresa terá as suas rotinas avaliadas, dados de performance mensurados e informações sobre as principais demandas de cada setor levantadas.

O consultor ficará responsável, então, por identificar tudo o que está fora do padrão do mercado, a existência de possíveis gargalos e fatores que possam ser alterados para garantir que os times atuem da melhor forma possível. Após isso, a companhia terá uma estratégia para solucionar as suas falhas e problemas internos.

O gestor implementará uma série de mudanças e, com isso, otimizará as rotinas de gestão de operações de TI. Em longo prazo, os resultados serão monitorados para que nenhuma falha seja ignorada e a empresa tenha um fluxo de melhoras contínuas.

Isso será feito com o apoio de novas metodologias de trabalho ou estratégias como a adoção de soluções de automatização de tarefas. Se existir a necessidade de ganhar mobilidade, por exemplo, a computação em nuvem será integrada aos processos diários. Mas se a demanda for por mais segurança digital, o investimento em softwares de controle será feito.

6. Terceirizar rotinas secundárias

A terceirização das rotinas de TI é uma das várias formas como empresas podem tornar os processos do setor mais eficazes. Nesse processo, a companhia direciona atividades secundárias para profissionais especializados. Isso permite que os profissionais internos possam ter um maior foco na gestão de operações de TI, atendendo com alta agilidade às demandas críticas dos usuários e dando mais qualidade para rotinas estratégicas.

Esse processo também pode reduzir custos, dar maior capacidade de resposta às demandas dos usuários e eliminar gargalos do setor. A contratação de usuários será feita com o apoio de rotinas mais flexíveis, eliminando grande parte das etapas necessárias para ampliar ou reduzir o tamanho de equipes.

Assim, os gastos com pessoal tornam-se mais precisos e o time de TI ganha mais agilidade na prestação de serviços. A empresa pagará um valor para manter o serviço conforme a sua necessidade. E em caso de aumento ou redução da demanda por serviços, o tamanho da equipe poderá ser modificado rapidamente, diminuindo o tempo de resposta do negócio a solicitações.

Seguindo as dicas acima, a empresa terá muito mais qualidade nos seus processos de gestão de operações de TI. Assim, o gestor contará com mais tempo para adotar políticas e abordagens que possam gerar mais inovação e eficácia em médio e longo prazo. Saiba algumas delas no nosso artigo sobre o tema!