A redução de custos de TI é um dos principais desafios dos gestores do setor. Não é fácil reduzir os gastos com a infraestrutura de tecnologia e, ao mesmo tempo, continuar investindo em avanços que vão maximizar a geração de valor do negócio.

Na prática, cortar despesas na TI nunca deve envolver a precarização dos serviços prestados e a qualidade dos equipamentos. Com avanços nas tecnologias digitais, inovações disruptivas e técnicas de gerenciamento eficazes, é possível minimizar gastos com inteligência.

Neste artigo, selecionamos 7 boas práticas que podem reduzir os custos da tecnologia da informação em uma empresa. Conheça todas!

1. Leve seus servidores para a nuvem

Essa é uma dica praticamente infalível: ao migrar para a computação em nuvem, a empresa reduz gastos com servidores físicos, energia, manutenção e segurança desses equipamentos. E isso não só economiza espaço como permite utilização mais inteligente desse tipo de recurso.

No modelo PaaS, ou plataforma como serviço, a empresa paga apenas pelos serviços que utiliza na nuvem e com isso consegue controlar seu orçamento de forma inteligente e eficaz. Sempre que surgir mais demandas de infraestrutura, em vez de ter que investir em novos equipamentos, basta mudar o plano contratado.

Essa escalabilidade permite que os custos da infraestrutura sejam proporcionais ao que é de fato utilizado e sempre resultará em corte expressivo das despesas da TI. Além disso, a nuvem é mais segura, prática e confiável.

2. Implemente o método ágil para desenvolvimento de software

Os frameworks do método ágil, como Scrum e XP Programming, já estão comprovados pelo mercado. As empresas que adotam essa abordagem conseguem desenvolver produtos com mais velocidade. Além disso, contam com equipes enxutas que entregam mais valor do que era alcançado pelas metodologias tradicionais de gerenciamento de projetos.

Com o método ágil, o software em funcionamento é priorizado e o processo de desenvolvimento é feito em iterações incrementais e entregas contínuas que permitem alinhamento maior entre a TI e a parte de negócios. Isso culmina em produtos úteis que atendem melhor às necessidades da empresa.

Mas, para aderir ao método ágil, é preciso maturidade profissional, tanto da equipe de TI como dos gestores e da própria empresa. E isso leva ao item seguinte.

3. Invista em treinamentos e desenvolvimento da equipe

A qualificação dos times é um dos melhores investimentos para o orçamento de TI. Profissionais preparados conseguem pensar em ações de impacto e geram resultados melhores. Ao promover treinamentos de ITIL, Scrum, COBIT, entre outros, a performance da equipe e a sua integração são aprimoradas.

Já os treinamentos mais técnicos de linguagens e boas práticas de TI podem ajudar no desenvolvimento profissional e potencializar a capacidade de cada pessoa da equipe.

Além disso, os colaboradores que passam por treinamentos bancados pela empresa se sentem mais valorizados e motivados para trabalhar.

Ao contrário do que algumas pessoas de fora da área acreditam, o trabalho na TI é muito mais criativo e intelectual do que braçal. Com um time bem preparado, que domina as técnicas mais modernas de desenvolvimento e manutenção, os problemas e desafios são abordados de forma diferente e podem ser solucionados em uma fração do tempo que seria necessário para uma equipe sem treinamento.

4. Atualize sistemas e equipamentos com frequência

O desenvolvimento da tecnologia não é linear, mas exponencial. A profética lei de Moore, constatada por Gordon Moore, um dos fundadores da Intel, considera que o poder de um processador, no mínimo, dobra a cada 18 meses, mantendo o mesmo custo de implementação.

A regra vale para outros tipos de tecnologia, e isso significa que um computador ou sistema de 18 meses atrás gera metade dos resultados que algo atual pode proporcionar. Após 36 meses, ele é apenas um quarto do potencial de uma solução atual.

Por isso, é importante estabelecer um cronograma para atualizar tanto o hardware como o software utilizados em uma empresa. Com o passar do tempo, as soluções obsoletas significam oportunidades perdidas de gerar valor.

5. Automatize tarefas repetitivas e rotineiras

É um desperdício utilizar o potencial técnico de colaboradores especializados em TI para a execução de tarefas simples e repetitivas, que demandam mais suor do que inteligência para serem resolvidas. Além disso, processos de trabalho muitas vezes demandam o controle de um fluxo imenso de informações, como planilhas, documentações e e-mails, que desorganizados mais atrapalham do que ajudam na execução de um projeto.

Uma forma de economizar com isso é automatizando essas responsabilidades com tecnologias como chatbots para o suporte técnico e até mesmo scripts simples para a execução de processos rotineiros no setor. E para aprimorar a confiança e o controle de informações em processos, pode ser interessante investir em soluções de workflows capazes de padronizar processos simples e complexos.

Quanto mais automatizada, mais eficaz é a TI de uma empresa.

6. Reveja as licenças de softwares da empresa

Um tipo de despesa simples que pode se tornar uma bola de neve em uma empresa são as licenças de softwares, tanto as vitalícias como as distribuídas como serviço e com pagamentos mensais.

É importante ter um método organizado de gestão dessas licenças para saber quando elas estão em uso e se ainda são necessárias. Algumas vezes, mudanças no operacional e até mesmo nos times podem fazer com que algumas licenças de software percam o sentido, enquanto outras podem ser transferidas internamente.

Além disso, também é importante organizar bem as licenças para evitar desperdícios com aquisições desnecessárias.

7. Alinhe negócios e tecnologia com a governança de TI

Adotar a governança de TI pode significar uma redução de despesas considerável no setor. Uma das principais razões de desperdício de recursos no setor de tecnologia é o desentendimento entre a equipe de TI e a parte de negócios de uma empresa.

Sem um relacionamento bem estruturado, pode acontecer de o time de TI desenvolver produtos e serviços que não estão alinhados com a estratégia de negócios da empresa. Muitas vezes, o operacional e a direção da companhia não sabem como expressar suas reais demandas para a equipe de tecnologia.

Com a governança de TI, o relacionamento entre os especialistas em tecnologia e o restante da empresa é estruturado com uma linguagem comum e ferramentas que permitem que os dois lados se entendam melhor.

A dica é estudar os principais frameworks, como ITIL e COBIT, que sugerem boas práticas efetivas de governança de TI. E é importante ressaltar que o investimento na governança envolve não apenas o time de tecnologia, mas também os pontos de contato de outros setores e a gestão do negócio.

Gostou de saber como fazer a redução de custos de TI e, ao mesmo tempo, maximizar os resultados do setor? Aproveite e compartilhe estas dicas com os seus colegas nas redes sociais!