Nos últimos anos, o manifesto ágil está sendo cada vez mais difundido e seus frameworks vêm ganhando, progressivamente, novas áreas de atuação. O que antes era um modelo utilizado apenas pela indústria de software, tornou-se também um modelo de gestão empresarial, conhecido como Management 3.0.

A gestão empresarial no século XXI têm exigido muito mais do que habilidades técnicas; é necessário acompanhar as rápidas transformações sociais que o mundo VUCA têm nos proporcionado.

Mundo VUCA e suas características

E são essas transformações que provocaram a evolução do conceito de Management, ou seja, da gestão ao longo dos anos, veja:

Management 1.0

Concebido na época em que as empresas eram gerenciadas como máquinas, o management 1.0 tem foco na eficiência das indústrias e com isso os funcionários eram vistos apenas como executores. É a partir de então que surgem as posições de comando, as hierarquias que determinavam o poder de decisão.

  • O vencedor ganha tudo: pessoas ranqueadas por suas conquistas individuais e ganhando mais trabalho por isso.
  • Se assume que a comunidade é melhor servida com competição e política ao invés de colaboração e propósito coletivo.
  • Faz questão em mostrar que todos estão sendo vigiados.

Management 2.0

Com pouca diferenciação do modelo anterior, nessa fase os funcionários eram vistos como “ativos valiosos”, mas o gerenciamento ainda é top-down.

  • São criadas melhorias mandatórias que não mudam a forma de gerenciamento, apenas reforçam as hierarquias.
  • Implantam o one-on-one para definir metas individuais, mas o acompanhamento é tardio e apenas reafirma as posições hierárquicas.
  • Utilizam ferramentas de feedback, porém o anonimato gera a quebra de confiança e faz com que a liderança saiba mais sobre o funcionário do que ele mesmo.

Management 3.0

É apenas no início do século XXI que o modelo de gestão passa a ter como base a teoria da complexidade, enxergando que a empresa é uma comunidade que trabalha em rede e, por isso, as pessoas devem ser priorizadas.

  • As pessoas se sentem responsáveis pela gestão de suas tarefas, consequentemente, melhorando sua felicidade profissional.
  • Os funcionários compartilham do mesmo propósito.
  • A gestão torna-se mais distribuída, o que aumenta o senso de responsabilidade e faz com que todos remem em busca de um objetivo comum.

Dessa maneira, podemos dizer que o Management 3.0 é um modelo de mindset no qual as pessoas e os relacionamentos devem ser o centro das atenções dos gestores.

Esse conceito é organizado em seis frentes, conhecidas como a “as visões do management 3”, conheça-as:

Martie - figura que representa as seis visões do management 3.0
Martie – figura que representa as seis visões do management 3.0.

Energizar pessoas

As pessoas são a parte mais importantes de uma organização, e os gerentes devem fazer de tudo para mantê-las ativas, criativas e motivadas.

A motivação pode ser intrínseca, quando uma pessoa faz algo porque gosta de fazer; ou extrínseca, quando ela faz porque outras as apoiam e a elogiam por isso.

As recompensas não devem ser prometidas antecipadamente, as premiações devem ser pequenas – constantes e em público. Devemos premiar comportamentos, e não entregas, e também temos que saber premiar nossos pares.

Empoderar times

As equipes podem se auto-organizar e isso requer empoderamento, consentimento e confiança da gestão.

Empoderar é capacitar e distribuir controle melhorando a eficácia e a sobrevivência do sistema tornando as organizações mais autônomas, resistentes e ágeis.

Alinhar restrições

Auto-organização pode levar a qualquer coisa e, portanto, é necessário proteger as pessoas, compartilhar e dar a elas um propósito claro e metas definidas.

A liberdade não pode ser confundida com bagunça. Os limites do processo devem ser definidos em conjunto, aumentando o engajamento e adesão às regras e desencorajando maus comportamentos.

Desenvolver competências

As equipes não podem alcançar seus objetivos se seus membros não são suficientemente capazes, e os gestores devem, portanto, contribuir para o desenvolvimento das competências necessárias.

Os membros da equipe precisam de competências teóricas, ferramentas e tecnologias, processos e práticas e habilidades interpessoais.

Melhorar estruturas

Muitas equipes operam dentro do contexto de uma organização complexa e, portanto, é importante considerar estruturas que melhorem a comunicação.

Em uma estrutura de rede, ao invés de hierarquia, existe inteligência coletiva e as decisões são tomadas de forma mais rápida.

Melhorar tudo

As pessoas, equipes e organizações precisam melhorar continuamente para adiar o fracasso pelo maior tempo possível.

Não é sobre ser pioneiro, a única maneira de vencer é aprender mais rápido que os demais.

E apesar de todas essas visões, vale ressaltar que o Management 3.0 não é uma solução pronta e cada um dos princípios devem levar em conta as características de cada time; somente assim será possível criar um ambiente mais produtivo, propícios à inovação e a felicidade.