O SharePoint Framework (SPFx) veio para agilizar, facilitar e dar segurança para as customizações dos portais SharePoint, detalhes que você conhecerá nesse artigo.


Durante anos, a demanda por customizações SharePoint gerou oportunidades e crescimento para os portais de comunicação de grandes empresas.

Além dessas possibilidades, a comunicação interna e externa também acompanhou esse avanço, fazendo com que a velocidade do atendimento das solicitações de customizações, configurações e administração desses portais em SharePoint fossem ainda mais ágeis, fáceis e seguras.

Assim, em 2017, com o apoio do SPFx – SharePoint Framework, a maneira de desenvolver evoluiu, facilitando e trazendo mais confiança para o processo.

Um pouco da história do SharePoint

A fim de tornar o SharePoint reconhecido no mercado, entre os anos de 2003 e 2013, a Microsoft ofertou o portal como uma plataforma de desenvolvimento.

Através de componentes de buscas, navegação, armazenamento de dados e tantas outras funcionalidades, a plataforma “out of the box” nos permitiu gerar um pacote e aplicá-lo diretamente no servidor, facilitando a customização da plataforma ao gosto do cliente.

Como resultado, a flexibilidade do SharePoint impulsionou a adoção da plataforma por diversas empresas. Mas, testar soluções customizadas e implantar processos de CI/CD ficou mais complexo e trabalhoso, o que contribui com o aumento considerável de problemas de performance e falhas na implementação.

Ou seja, a facilidade para customizar o SharePoint contribuiu fortemente para sua adoção, assim como foi a customização que causou os principais problemas.

Desse modo, pensando numa estratégia comercial e na tentativa de apresentar modelos de customizações mais sustentáveis, a Microsoft, ao longo dos anos, testou novas formas de customização, como sandbox solutions e SharePoint add-ins, porém, nenhuma das estratégias teve o mesmo sucesso.

Atualmente, em sua versão online, o SharePoint é tratado mais como um serviço do que uma plataforma de desenvolvimento.

As customizações necessariamente rodam fora de sua Farm. Isto é, elas são registradas e toda a comunicação é realizada usando REST APIs, assim como em outras plataformas modernas.

O que é SharePoint Framework (SPFx)?

Ainda que o SPFx tenha muitas características e utilizações, listaremos algumas:

  1. Client Side: sem a necessidade de processamento das páginas web no servidor;
  2. Compatível com a experiência clássica de desenvolvimento;
  3. Workbench: é possível desenvolver sem necessariamente estar com acesso à internet;
  4. As webparts criadas utilizando o SPFx não utilizam inframes;
  5. Processo de deploy que favorece e simplifica a construção de esteiras de CI/CD;
  6. Possibilidade de alterar sessões de páginas, personalizar campos e conjuntos de comandos;
  7. Agnóstico a framework: liberdade para escolher a biblioteca ou framework de codificação;
  8. Usa ferramentas de desenvolvimento client amplamente adotadas no mercado como npm, gulp, Yeoman e webpack.
Imagem ilustrativa que referencia a liberdade de escolha das bibliotecas, frameworks e ferramentas de desenvolvimento.

Com todos esses avanços, a Microsoft tem mostrado que o SPFx é um dos grandes focos de seus investimentos. Isso fica claro pela quantidade e velocidade em que as atualizações estão ocorrendo.

A adoção pela comunidade também não fica para trás, somente no ano de 2018 a utilização desse framework cresceu mais de 236%, conforme apresentado no Microsoft Ignite 2019.

Imagem representativa dos dados apresentados no Microsoft Ignite 2019.

O que nos aguarda

A utilização do SPFx tem nos dado sinais de que não parará apenas no escopo do SharePoint.

Além da possibilidade de customizar as abas do Microsoft Teams, recentemente o suporte para criação de Office Add-ins foi disponibilizado (v1.10) e, juntamente com o Fluid Framework (ferramenta de colaboração e coautoria), tem dado poderes ao SPFx que vão além do escopo inicial.

Será que em breve veremos um “Microsoft 365 Framework”?