O Manifesto Ágil é uma declaração de valores e princípios que fundamentam o desenvolvimento de software.

Ainda que tenha sido pensado no setor tecnológico, o Manifesto possui impactos para empresas de diversos setores.

É possível notar que o Manifesto Ágil vem sendo ignorado por muitas empresas – até mesmo por agilistas – que ou não conhecem o Manifesto ágil, ou fazem uma interpretação errada sobre o assunto, ocasionando em uma aplicação equivocada do que seja a agilidade.

O Manifesto é um movimento que surgiu do mercado, de pessoas que estavam fazendo as coisas na prática, não de teóricos.

Aqui, colocaremos como nós, da Iteris, interpretamos o Manifesto e como o temos usado para ajudar a tomar melhores decisões na nossa empresa e em nossos clientes.

O Manifesto começa com informações de extrema importância: estamos descobrindo melhores maneiras de desenvolver softwares – ou executar qualquer tipo de trabalho -, fazendo-o nós mesmos e ajudando os outros a fazerem o mesmo.

Ali, fica evidente o conceito do empirismo que coloca a importância de aprender fazendo e ajudando os outros a fazerem, buscando sempre a melhoria contínua.

O profissional do conhecimento hoje em dia, seja qual for a atividade que ele esteja trabalhando, precisa pensar e agir de forma sistêmica.

Esse início nos faz lembrar as 5 disciplinas de Peter Senge , autor do best-seller: a  Quinta Disciplina, e reflete as disciplinas: aprendizado em equipe, visão compartilhada e modelos mentais, chamando atenção que para potencializar o resultado do trabalho, é fundamental ter domínio pessoal.

O pensamento sistêmico é o produto das relações entre todas essas disciplinas. Portanto, essa frase do Manifesto traz uma visão sistêmica sobre o trabalho a ser realizado.

O Primeiro Valor do Manifesto Ágil: Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas.

O que isso quer dizer? Que analogia podemos fazer com eficiência – fazer do jeito certo – e eficácia – fazer a coisa certa?

Vamos considerar que o lado direito do Manifesto ágil seja a eficiência e, o lado esquerdo, seja a eficácia. Vamos tomar como base a fórmula da eficácia do Alisson Vale e considerar que o lado direito do Manifesto seja expresso por hipóteses e, o lado esquerdo, pela validação delas.

Precisamos ter os melhores processos e ferramentas ou os processos e ferramentas certos, que facilitem a interação entre os indivíduos para se atingir um resultado, ou seja, melhorar as relações sistêmicas ou como as partes de um sistema se comunicam para atingir o seu propósito.

Sendo assim, analisamos que processos e ferramentas estão para eficiência assim como Indivíduos e interações estão para eficácia.

Processos e ferramentas seriam como o meio, e indivíduos e interações melhores o objetivo.

Porém, aos termos melhores interações entre as pessoas, podemos também tomar melhores decisões de escolhas de processos e ferramentas, funcionando como uma retroalimentação do ciclo.

Um outro ponto importante que o primeiro valor faz referência é: as pessoas são o mais importante, e com isto é vale refletirmos sobre como a gestão de nossas organizações tem focado em termos o melhor das pessoas.

Com esta linha de pensamento, podemos tomar melhores decisões em relação ao que precisamos aprender, e o que precisamos usar para poder melhorar a comunicação e a relação entre as áreas e entre as pessoas, somos capazes de reconhecer o valor do lado direito do Manifesto e colocamos mais valor ainda no lado esquerdo.

O caminho aqui é buscar um bom equilíbrio entre o lado direito e esquerdo, sendo que o lado esquerdo é o que buscamos como prioridade.

O segundo valor do Manifesto Ágil: Produto em funcionamento mais que documentação abrangente.

Aqui trocamos a palavra Software por Produto, para poder utilizar o valor do Manifesto para qualquer tipo de produto gerado pelo trabalho do conhecimento. Importante citar que não seria só o produto em funcionamento, mas o produto em funcionamento fazendo a coisa certa. Devemos ter a documentação necessária ou suficiente para apoiar atingirmos o produto em funcionamento gerando o resultado certo.

A documentação só tem valor se ela apoiar o bom funcionamento do produto e colaborar para que o produto faça a coisa certa, ela é um meio de apoio para termos melhores produtos funcionando, e a medida de progresso é produto funcionando fazendo a coisa certa.

A documentação está para eficiência como o produto funcionando está para a eficácia, aqui podemos lembrar da modelagem ágil do Scott Ambler, onde modelamos o necessário de forma colaborativa para se ajudar a apoiar o desenvolvimento. Não se apegue aos documentos, use os documentos como um meio para se chegar ao resultado necessário.

O terceiro valor do Manifesto ágil: Colaboração com o cliente mais que negociação de contrato.

Precisamos ter acordos mais flexíveis que favoreçam a colaboração com o cliente, apoiando um ambiente mais colaborativo e confiável.

Os acordos têm importância, mas mais importante ainda é permitir que haja um ambiente colaborativo entre o time ágil e os stakeholders.

Um acordo rígido pode impedir de se chegar no nível de colaboração ideal e de se atingir a eficácia, portanto ferindo esse valor do Manifesto.

Acordos aqui podem ser interpretados como controles fortes e, quanto maior o controle, menor a eficácia da gestão, menor a colaboração, menor o espaço para entender o contexto do projeto/produto, piorando a capacidade de todos em tomarem as melhores decisões.

O quarto valor do Manifesto: Responder as mudanças mais que seguir um plano.

O Problema não é a mudança em si, o problema é a deficiência das organizações e pessoas em se adaptarem às mudanças.

Precisamos criar as condições necessárias para que as pessoas aprendam a tomar decisões e se adaptarem rapidamente às mudanças que ocorrerão em prol de sobreviver e de gerar melhores resultados.

Os planos são meios para facilitar mudanças e para responder a elas. Seguir um plano cegamente onde o objetivo tenha mudado é desperdício. Você terá sido eficiente sem ter sido eficaz.

Reforçando que: o lado esquerdo está para eficácia como o lado direito está para eficiência, planos curtos diminuem o tempo de validação de uma hipótese, se aprende mais rápido e se pode fazer os ajustes em busca da eficácia.

Por fim, mesmo havendo valor nos itens da direita, valorizamos mais os itens da esquerda! Os autores do Manifesto são pessoas do mercado que conseguiram resultados de alta performance seguindo esse princípio. Eles reconhecem o valor do lado direito – eficiência -, mas dão mais valor ainda ao lado esquerdo – eficácia.

Acreditamos que se para ser ágil deve-se conhecer e, pelo menos, tentar praticar os valores centrais de seu Manifesto. Que tal você começar a monitorar o quanto realmente você e sua empresa tem valorizado mais os elementos do lado esquerdo? Me dizes como tu me medes e te direis como me comporto.

Que tal colocarmos métricas de o quanto estamos seguindo esses valores? Experimentem e vejam como isso vai impactar nos resultados do seu trabalho, da sua equipe e da sua empresa.

A Iteris tem o propósito de usar a agilidade como um meio para que as empresas alcancem os melhores resultados, trazendo consciência dos valores e princípios do Manifesto ágil no dia a dia dos nossos clientes.

Temos uma forma de trabalho que usa o Manifesto ágil e o pensamento sistêmico como base para entender o contexto das organizações e proporcionar uma melhor assertividade na resolução de problemas nas empresas.

Acreditamos que precisamos entender a essência do Manifesto e buscar a cada dia incorporar esses valores na forma de trabalho das organizações, pois assim a agilidade funcionará de forma mais eficaz e sustentável.

No próximo artigo, falaremos um pouco dos 2 princípios mais esquecidos do Manifesto ágil e o efeito disso no mercado!